SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Santander atende reivindicação do movimento sindical e estende período de amamentação de 9 para 12 meses

16/08/2022

Crédito: Freepik

Compartilhe:

O Santander atendeu reivindicação do movimento sindical e estendeu o período de amamentação de 9 para 12 meses para bancárias lactantes. A decisão foi concedida no dia 12, durante mesa de negociações da Campanha Salarial 2022, com a Comissão de Organização dos Empregados (COE).

A amamentação é fundamental para o desenvolvimento de uma criança e para o fortalecimento dos vínculos entre mãe e filho. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que até os seis meses os bebês sejam alimentados exclusivamente com leite materno e continuem sendo amamentados até os 2 anos ou mais, caso seja possível, por conta dos diversos benefícios à saúde e desenvolvimento.

Assédio e Violência

Além desse avanço, o Santander também aceitou tornar mais incisiva a prevenção e o combate ao assédio sexual nas dependências da instituição. Um termo aditivo de relações trabalhistas está sendo produzido a respeito disso e o banco irá se posicionar e estabelecer um código de conduta em relação ao assédio sexual. Haverá também a criação de um termo sobre o combate à violência contra mulher. O banco irá enviar uma proposta com algumas condições e garantias para as vítimas de violência, garantindo o afastamento dos seus locais de trabalho.

Mais contratações

O movimento sindical também reivindicou novas contratações no Santander e criticou o processo de terceirizações no banco. As discussões sobre o tema serão retomadas na próxima negociação, marcada para esta terça-feira (16).

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região valoriza as decisões que aumentam os direitos das mães lactantes e que contribuem para o combate ao assédio na instituição. Infelizmente, o Santander possui diversos registros de assédio sexual e, principalmente, moral. No mês passado, o banco foi condenado a pagar R$ 275,4 milhões por danos morais coletivos aos seus funcionários em razão de metas abusivas, adoecimentos mentais e práticas de assédio moral.

Notícias Relacionadas

MPT pede que ex-presidente da Caixa seja condenado em R$ 30,5 milhões por assédio moral e sexual

Caixa Econômica Federal 04/10/2022

Bancária aposentada do Santander aceita acordo de R$ 40 mil para encerrar ação de horas extras

Santander 04/10/2022

Bancária da Caixa de Porto Alegre tem o rosto machucado após agressão de cliente

Caixa Econômica Federal 04/10/2022

Newsletter