SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Terceirizada do BB é condenada após sumir e não pagar verbas rescisórias e FGTS de trabalhadora

21/06/2022

Bancos: Banco do Brasil

Crédito: Freepik

Compartilhe:

A trabalhadora foi admitida pela empresa terceirizada Tartias Comércio e Serviços em junho de 2010 para exercer a função de auxiliar de limpeza no Banco do Brasil. Contudo, em março de 2011, a empresa terceirizada sumiu – mudando até mesmo de endereço – após outra empresa ser contratada para prestar o mesmo tipo de serviço ao banco e não pagou as verbas rescisórias.

Além disso, a empresa não efetuou todos os depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) na conta vinculada da trabalhadora; não respeitou o salário mínimo paulista da época, pagando valor menor à funcionária, e também deixou de pagar um mês de vale-refeição.

O Banco do Brasil, por sua vez, não fiscalizou o cumprimento das obrigações trabalhistas da empresa terceirizada, nem mesmo quando constatado que não havia sequer pagamento do salário mínimo estadual.

Procurado pela trabalhadora, o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região ajuizou ação solicitando o pagamento das verbas rescisórias, as diferenças salariais mensais desde a admissão, entre outros. A entidade também requereu antecipação de tutela para liberação do FGTS.

Diante dos fatos, a Juíza do Trabalho, Gisele Pasotti Fernandes, do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, 2ª Vara do Trabalho de Bauru, condenou a empresa Tartias e o Banco do Brasil (apenas de forma subsidiária) a pagarem à trabalhadora, com juros e correção monetária: diferenças salariais e reflexos, aviso prévio, salário, férias com abono, 13º, multa do artigo 477 consolidado, aplicação do artigo 467 consolidado, FGTS e multa fundiária. O valor total foi de R$ 12.516,84.

O artigo 477 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) estipula que, no caso de cessação do vínculo empregatício entre a empresa e trabalhador, independentemente do motivo e do autor, o empregador é obrigado a rescindir imediatamente na Carteira de Trabalho e Previdência Social. Já o artigo 467 define que “em caso de rescisão de contrato de trabalho, havendo controvérsia sobre o montante das verbas rescisórias, o empregador é obrigado a pagar ao trabalhador, à data do comparecimento à Justiça do Trabalho, a parte incontroversa dessas verbas, sob pena de pagá-las acrescidas de 50%”.

Vitória!

Notícias Relacionadas

“BB + leve”: Banco avança com transformação de agências em lojas e coloca em risco vida de bancários e clientes

Banco do Brasil 24/06/2022

Em 5 anos, principais bancos do país fecharam mais de 4 mil agências

Banco do Brasil 21/06/2022

Sindicato começa a devolver valores que o BB descontou em 2011 de incorporados da Nossa Caixa

Banco do Brasil 21/06/2022

Newsletter