SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Vitória dos trabalhadores! Senado enterra MP 1045, que atacava jornada de 6 horas dos bancários e adicional de hora extra

02/09/2021

Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

Compartilhe:

Nessa quarta-feira (1º), com 47 votos contrários, 27 favoráveis e uma abstenção, o Senado rejeitou a Medida Provisória nº 1.045, de 27 de abril de 2021.

Originalmente, a MP instituiu o Novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, em moldes parecidos aos do programa do ano passado — que permitia, neste período de pandemia, redução proporcional de jornada de trabalho e de salário, além de suspensão temporária do contrato de trabalho.

Entretanto, ao passar pela Câmara, a medida recebeu inúmeros “jabutis” (emendas estranhas ao tema principal) por parte da bancada aliada ao governo Bolsonaro, e acabou transformada numa nova reforma trabalhista. Os deputados aprovaram no último dia 12 a MP, que virou o Projeto de Lei de Conversão nº 17/2021.

O PLV 17 instituiu ainda o Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego (Priore), o Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva (Requip) e o Programa Nacional de Prestação de Serviço Social Voluntário — além de alterar pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), do Código de Processo Civil e de uma série de outras leis.

Por meio dos três programas, a base bolsonarista na Câmara promovia uma reforma trabalhista que continha, entre outros, os seguintes pontos:

  • nova modalidade de trabalho, sem direito a férias, 13º salário e FGTS (chamada de serviço social voluntário);
  • outra modalidade de trabalho, sem carteira assinada (Requip) e sem direitos trabalhistas e previdenciários; o trabalhador receberia uma bolsa e vale-transporte;
  • programa de incentivo ao primeiro emprego (Priore) para jovens e de estímulo à contratação de maiores de 55 anos desempregados há mais de 12 meses; o empregado receberia um bônus no salário, mas seu FGTS seria menor;
  • redução no pagamento de horas extras para algumas categorias profissionais, como bancários, jornalistas e operadores de telemarketing;
  • aumento no limite da jornada de trabalho de mineiros;
  • restrição à Justiça gratuita em geral, não apenas na esfera trabalhista;
  • proibição a juízes anularem pontos de acordos extrajudiciais firmados entre empresas e empregados;
  • maior dificuldade para a fiscalização trabalhista, inclusive para casos de trabalho análogo ao escravo.

A Agência Senado noticiou ainda na noite de ontem (1º) que o relator da matéria na casa, Confúcio Moura (MDB-RR), “retirou todas as alterações na CLT e manteve a criação dos três novos programas de geração de emprego”. No entanto, “a maioria dos senadores preferiu rejeitar a matéria como um todo, temendo que a MP voltasse para a Câmara e os deputados federais reintroduzissem os chamados ‘jabutis'”.

Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, o arquivamento da MP 1.045 pelo Senado foi, para além de uma derrota do governo Bolsonaro, uma grande vitória dos trabalhadores!

Notícias Relacionadas

Sindicato conquista na Justiça suspensão de descontos na conta bancária de funcionária do BB que se encontra no limbo previdenciário

Banco do Brasil 09/08/2022

Negociação, já! Exigimos PLR maior e linear!

09/08/2022

Em 10 anos, mais de 42 mil bancários se afastaram por doenças e acidentes de trabalho

09/08/2022

Newsletter