SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

STJ reduz a 1 milésimo valor de ação contra Itaú

17/04/2018

Bancos: Itaú

Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, esse caso do Itaú é emblemático. Com a reforma trabalhista, diversos trabalhadores passaram a ser condenados pela Justiça do Trabalho, enquanto que os banqueiros continuam contando com a complacência do Poder Judiciário e dos políticos em geral para seguir abusando dos brasileiros sem nenhuma punição suficientemente severa

Compartilhe:

No último dia 10, a 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reduziu a um milésimo (!!!) – de R$ 160 milhões para R$ 160 mil – o valor da causa de uma ação civil pública proposta contra o Itaú por oferecer de forma indiscriminada produtos como cheque especial e cartão de crédito e, assim, contribuir para situações de superendividamento em massa dos consumidores.

Os ministros do tribunal seguiram por unanimidade o entendimento do relator Luís Felipe Salomão, que considerou “exorbitante” o valor atribuído à causa pelo Instituto de Defesa do Cidadão, já que não foi possível demonstrar que a quantia correspondia efetivamente aos danos pretendidos.

Na ação coletiva, o banco é acusado de ter oferecido os produtos de forma indiscriminada, descontando valores dos salários dos consumidores de forma “unilateral” e “sem amparo no ordenamento jurídico”. A entidade argumenta, ainda, que a indenização pedida corresponde a apenas uma parcela do real endividamento do consumidor brasileiro, apurado, segundo a instituição, em R$ 555 bilhões.

Para o ministro Luís Felipe Salomão, no entanto, é necessário estipular critérios para a atribuição do valor da causa em ações coletivas, especialmente quando se mostre inviável a determinação de seu exato conteúdo econômico.

O ministro considerou que, por mais que fosse reconhecido que o banco cometeu as irregularidades das quais era acusado na ação civil, não é possível concluir que o valor de R$ 160 milhões é razoável.

“No caso em análise o Instituto não apontou, por qualquer meio válido, quer o número, ainda que estimado, de prejudicados com as alegadas práticas ilegais do banco, quer o valor desse prejuízo”, entendeu o relator.

Diante do caráter indeterminável dos beneficiários, que impossibilita o valor exato dos supostos prejuízos, o ministro acolheu o pedido do Itaú e reduziu o valor da causa para R$ 160 mil. Ele foi acompanhado pelos demais integrantes do colegiado.

 

Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, esse caso do Itaú é emblemático. Com a reforma trabalhista, diversos trabalhadores passaram a ser condenados pela Justiça do Trabalho, enquanto que os banqueiros continuam contando com a complacência do Poder Judiciário e dos políticos em geral para seguir abusando dos brasileiros sem nenhuma punição suficientemente severa

(Bancários na Luta nº 25)

Notícias Relacionadas

Itaú fecha 247 agências no país, mesmo alcançando lucro de R$ 23,118 bilhões nos primeiros nove meses de 2022

Itaú 22/11/2022

Itaú só dá bola fora! Sindicato protesta contra fim dos caixas da agência Duque, em Bauru

Itaú 09/11/2022

ABSURDO! Mais de 70 clientes aguardam horas para conseguir atendimento no Itaú de Santa Cruz do Rio Pardo

Itaú 08/11/2022

Newsletter