SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

STF começa a julgar obrigatoriedade de negociação coletiva para demissões em massa

21/05/2021

Foto: Jorge William/Agência O Globo

Compartilhe:

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar na quarta-feira (19) o Recurso Extraordinário 999435, que questiona a obrigatoriedade de negociação coletiva para demissões em massa. O ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso, abriu o julgamento manifestando-se no sentido de que não há necessidade de discussão prévia com o entidades sindicais para as demissões.

Ainda na primeira sessão, votaram com o relator os ministros Kassio Nunes Marques e Alexandre de Moraes, e o ministro Edson Fachin abriu a divergência. Na segunda sessão, quinta-feira (20), Luís Roberto Barroso votou com Fachin, e José Antonio Dias Toffoli pediu vistas do processo, suspendendo o julgamento.

Assim, até o momento, o placar encontra-se em 3 a 2 contra a obrigatoriedade. Ainda não há data para a retomada da votação.

Entenda o caso

O caso teve início com a dispensa, em 2009, de mais de 4,2 mil empregados da Embraer. Na esteira dessas demissões, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) estabeleceu, em relação a casos futuros, a necessidade de negociação coletiva antes das rescisões. O RE 999435, que está sendo julgado agora pelo STF, é da empresa Eleb Equipamentos Ltda., questionando a decisão do TST.

Pela relevância do assunto, a decisão terá repercussão geral (Tema 638), o que significa que vai definir o desfecho dos demais processos semelhantes em todo o Brasil.

Para o relator, ministro Marco Aurélio Mello, a iniciativa da rescisão, disciplinada no artigo 477 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), é ato unilateral, não exigindo concordância da parte contrária, “muito menos do sindicato que congregue a categoria profissional”.

No sentido contrário, Luís Roberto Barroso, que seguiu a divergência aberta pelo ministro Fachin, destacou que a corte trabalhista [o TST] introduziu requisito procedimental e não material: a necessidade de sentar à mesa de negociação, oportunidade para que a empresa, ao demitir em massa, exponha suas razões e ouça o lado dos trabalhadores, por meio do sindicato.

Segundo ele, o TST não exigiu acordo ou autorização prévia para demissão, mas apenas que os representantes dos sindicatos sejam ouvidos e tenham o direito de apontar outras saídas.

Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, muitas das demissões em massa, especialmente as promovidas pelos bancos brasileiros, são injustificáveis e causam grande impacto negativo na sociedade. Nada mais justo, portanto, que as empresas prestem explicações antes das demissões.

Notícias Relacionadas

Entidade de Piraju também recebe doação de cestas básicas do Sindicato

07/02/2023

Santander alcança lucro de R$ 12,9 bilhões em 2022

Santander 03/02/2023

TCU determina que BB abra concurso específico para preencher cota mínima de PCDs

03/02/2023

Newsletter