SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Privatização da Vale do Rio Doce cobra seu preço em vidas

01/02/2019

Compartilhe:

No dia 25, uma barragem da Vale localizada em Brumadinho (MG) rompeu-se e causou a morte de cerca de 300 pessoas. Esse novo crime ambiental da mineradora ocorre pouco mais de três anos após o rompimento da barragem em Mariana, também em Minas Gerais, que destruiu o Rio Doce e assassinou 19 pessoas – as vítimas da tragédia seguem sem indenizações, e os culpados, impunes.

Ambos os desastres tiveram início em 1997, quando o presidente Fernando Henrique Cardoso privatizou a principal empresa brasileira do ramo de mineração e infraestrutura, a então Vale do Rio Doce.

A privatização da estatal foi muito questionada. Além da discussão da empresa ser estratégica para o País, sua venda por apenas R$ 3,3 bilhões foi uma afronta, já que na época a estimativa é que suas reservas minerais valiam mais de R$ 100 bilhões. Na ocasião, o principal acionista da Vale era o Bradesco, que integrou o consórcio ValePar.

Na época da privatização, “doação” da Vale foi questionada pelo Sindicato em muitas edições do seu jornal

Foram ajuizados diversos processos contra a privatização. Alguns apontavam que o Bradesco montou o edital de venda da companhia (o que é proibido por lei), entre vários outros problemas jurídicos.
Dez anos após a privatização houve um plebiscito popular, quando 3,7 milhões de brasileiros votaram pela anulação da venda da Vale.

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região fez parte desse plebiscito, sendo contrário à privatização desde o começo. “Práticas de extração obsoletas, atropelo das legislações trabalhista e ambiental, ampla terceirização, ganância sem limites… essa é a Vale S.A.”, diz Paulo Tonon, diretor do Sindicato.

Diante de tudo isso, a entidade presta toda a solidariedade ao povo de Brumadinho, aos trabalhadores da Vale S.A. e suas famílias. Além disso, defende cadeia e confisco de bens para os responsáveis pela tragédia, mudanças no modelo de exploração de minérios, ampliação da fiscalização das barragens e atividades minerárias e a estatização da Vale, da Samarco e da CSN.

 

Notícias Relacionadas

TRT reconhece dispensa discriminatória de um trabalhador que foi demitido após retornar de afastamento por Covid-19

07/07/2022

Abertura dos bancos aos sábados e domingos: PL 1043 voltará a ser debatido somente após o período eleitoral

07/07/2022

Caixa custeou obras da mansão de Pedro Guimarães

Caixa Econômica Federal 07/07/2022

Newsletter