SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

Notícias

DESMONTE

Gradativamente, governo Bolsonaro vem piorando as condições de trabalho no BB

12/03/2019

Bancos: Banco do Brasil

Compartilhe:

Dois anos atrás, em 2017, o Banco do Brasil começou a se “reestruturar”: naquele ano, fechou 402 agências e transformou outras 379 em postos de atendimento. Antes da reestruturação, no fim de 2016, o banco lançou um programa de incentivo à aposentadoria ao qual aderiram 9.409 funcionários.

De lá para cá, a situação só tem piorado para os funcionários, com o aumento da sobrecarga de trabalho, os descomissionamentos arbitrários e o assédio moral.

O governo mudou, mas o desmonte do BB continua. Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, o objetivo é reduzir o tamanho do banco para facilitar sua total privatização. Na verdade, o BB já está sendo vendido, só que em fatias: a parte de seguros já foi vendida e o governo Bolsonaro já expôs o plano de vender diversas outras subsidiárias, tanto do BB quanto da Caixa Econômica Federal (só com a CEF, espera-se arrecadar R$ 15 bilhões com a venda de suas coligadas).

Com menos agências e muito menos funcionários, o resultado só poderia ser este que estamos cansados de ver: agências abarrotadas, demora para ser atendido, bancários estressados…

Agência Rui Barbosa
A agência da praça Rui Barbosa é um caso crônico de falta de funcionários. Desde o início do mês, tornou-se comum clientes telefonarem para o Sindicato denunciando a demora no atendimento.

A entidade constatou a gravidade da situação. Como mostram as fotos acima, clientes demoravam até 45 minutos para pegar a senha de entrada na agência. Lá dentro, enfrentavam mais um tempo de espera.

Por conta disso, ontem, dia 11, diretores da entidade protestaram contra o desmonte que está sendo promovido no BB. Para o Sindicato, a luta tem de ser pelo fortalecimento dos bancos públicos.

O corte de funcionários da agência Rui Barbosa foi tão grande que o segundo andar da agência foi desativado. Mas o caos é generalizado. Em toda a região faltam funcionários e sobram clientes.

Fim do projeto Ambiência
O protesto denunciou também o fim do projeto Ambiência em Bauru, ocorrido na semana pré-Carnaval. O projeto foi migrado para Sorocaba sem qualquer justificativa para os funcionários.

O Sindicato entrou em contato com a Dipes (Diretoria de Pessoas), que não deu explicações sobre a transferência do projeto. “Essa postura da Dipes talvez já seja reflexo do novo governo”, afirma Paulo Tonon, funcionário do BB e diretor do Sindicato.

O fim do setor implicará no retorno de diversos funcionários para fora de Bauru, depois de meses atuando na cidade.

Durante o protesto, a Regional do banco enviou cinco funcionários da agência Duque para ajudar na agência Rui Barbosa. Mesmo assim, as filas continuaram.

Notícias Relacionadas

Reforma da Previdência libera estatal para demitir funcionário que se aposentar

Banco do Brasil 13/03/2019

Carnaval dos banqueiros: R$ 73 bi de lucro, endividamento da população e demissões

Banco do Brasil 25/02/2019

BB desclassifica da PDG funcionários que atribuíram nota máxima em avaliação

Banco do Brasil 25/02/2019

Newsletter