SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

COVID-19: Pandemia tira 4,4 anos de expectativa de vida no Brasil

02/03/2022

Compartilhe:

A pandemia de Covid-19 tirou 4,4 anos de expectativa de vida no Brasil. Em 2019, uma pessoa nascida no país tinha expectativa de viver, em média, até os 76,6 anos. Hoje vive cerca de 72,2 anos.

De acordo com Ana Amélia Camarano, especialista em demografia do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a redução na expectativa de vida é grande. “Isso é muita coisa. Perder 4,4 anos em 22 meses significa uma perda de vida de 0,36 ano ou quatro meses em cada mês”, argumenta.

Entre 1980 e 2019 os brasileiros ganharam quatro meses por ano de expectativa de vida. Contudo, entre 2019 e 2021, foram perdidos quatro meses por mês.

A pandemia trouxe também aumento da mortalidade materna, levando à mortalidade de bebês e ao adiamento de gravidez. Desde o início da crise sanitária, diminuiu em 300 mil o número de nascimentos e aumentou em 400 mil o de mortes.

Segundo a pesquisadora, já havia previsão de que a população diminuiria a partir de meados da década de 2030, mas com a pandemia de Covid-19 essa redução deve acontecer até o fim desta década. Projeções demonstram que a população brasileira deve ir de 204,6 milhões em 2020 para 212,2 milhões em 2025, 209,7 milhões em 2030 e 204,2 milhões em 2035.

A população em idade ativa (PIA) – todas as pessoas teoricamente aptas a exercer uma atividade econômica – deve passar de 136 milhões em 2020 para 142,7 milhões em 2025, 139,8 milhões em 2030, e 133,1 milhões em 2035.

“Quanto à mortalidade, o efeito foi desacelerar o crescimento da PIA para depois levar a uma redução que já estava prevista. Antecipamos em cerca de dez anos a desaceleração do crescimento da mão de obra”, explica.

Camarano afirmou que para reverter o cenário, é preciso acabar com a crise sanitária e depois “investir em saúde no Brasil visando o longo prazo”.

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região apoia o posicionamento da pesquisadora e afirma que o cenário da pandemia no Brasil seria menos devastador se não houvessem os ataques negacionistas do presidente Bolsonaro.

 

 

Notícias Relacionadas

Nota de falecimento: Luiz Alberto Hoshino, bancário aposentado do BB

Banco do Brasil 29/09/2022

Bancários alcançaram R$ 23.564,98 em verbas relacionadas à alimentação em 2022

29/09/2022

Sindicato vence ação e bancária do Santander recebe quase R$ 400 mil por danos materiais e morais

Santander 29/09/2022

Newsletter