SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

Notícias

Bolsonaro reduzirá 90% de normas de segurança no trabalho

14/05/2019

Compartilhe:

Ontem (13), no dia em que a Abolição da Escravatura completou 131 anos, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a redução de 90% nas Normas Regulamentadoras (NRs) de segurança e saúde no trabalho. De acordo com Bolsonaro, as normas passarão por um amplo processo de modernização, sendo simplificadas e desburocratizadas.

“Hoje, há custos absurdos [para empresas] em função de uma normatização absolutamente bizantina, anacrônica e hostil.  A modernização atingirá todas as NRs e outras regras”, afirmou.

Segundo o texto divulgado nas redes sociais do presidente, a primeira NR a ser revista é a de número 12, “que trata da regulamentação do maquinário, abrangendo desde padarias até fornos siderúrgicos”. A promessa é que o pacote de revisão seja entregue em junho.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, alegou que a medida tem como objetivo diminuir custos para empresas e gerar empregos no país.

As NRs relativas à segurança e medicina do trabalho são determinações obrigatórias feitas pelo Ministério do Trabalho. Antes, caso descumpridas, as empresas eram punidas. Mas e agora?

NR 17
Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região essa redução drástica nas normas de segurança no trabalho é um ataque à saúde e dignidade dos trabalhadores.

Uma das normas que corre risco de ser exterminada pelo governo Bolsonaro é a Norma Regulamentadora 17, que estipula que a temperatura do ambiente de trabalho deve ser mantida entre 20ºC e 23ºC. O Sindicato tem um grande histórico de luta em defesa dessa norma. Há diversos casos de agências bancárias que foram paralisadas pelo Sindicato, devido ao ar-condicionado estar quebrado ou com mau funcionamento.

Desde que assumiu a presidência, Bolsonaro afirma que precisa reduzir direitos trabalhistas para “destravar” a economia. E é isso o que ele tem feito, dia após dia, prejudicando os trabalhadores e legalizando o trabalho precário.

Precisamos ir às ruas para lutar contra todos esses ataques aos trabalhadores! CHEGA!

Trabalho Escravo

No mês passado, Bolsonaro assinou o Decreto 9.759, que pretende diminuir de 700 para menos de 50 o número de conselhos previstos pela Política Nacional de Participação Social (PNPS) e pelo Sistema Nacional de Participação Social (SNPS). A Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae), ligada ao extinto Ministério dos Direitos Humanos e responsável por monitorar casos de trabalho escravo no Brasil, poderá ser extinta, favorecendo o aumento de casos de trabalho escravo e dificultando a assistência às vítimas. RETROCESSO!

 

 

 

 

Notícias Relacionadas

No Facebook, clientes do Santander reclamam sobre caos nas agências

Santander 22/08/2019

Sindicato concorda com reclamações e seguirá fazendo protestos contra a falta de funcionários

Santander deve retificar comunicado que ameaça bancários sem a CPA-10

Santander 22/08/2019

Bradesco ‘convida’ empregados a gravar vídeos constrangedores

Bradesco 22/08/2019

Newsletter