SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

BB altera normativo que trata da aposentadoria dos funcionários

IN 380-1 agora prevê aposentadoria compulsória e demissão por justa causa de quem não a requerer

09/01/2020

Bancos: Banco do Brasil

Crédito: Marcelo Henrique de Andrade

Compartilhe:

Dentre as muitas alterações na legislação brasileira promovidas pela reforma da Previdência (Emenda Constitucional nº 103/2019) está a alteração do § 14 do Art. 37 da Constituição Federal, que agora tem a seguinte redação: “A aposentadoria concedida com a utilização de tempo de contribuição decorrente de cargo, emprego ou função pública, inclusive do Regime Geral de Previdência Social, acarretará o rompimento do vínculo que gerou o referido tempo de contribuição.”

Ou seja: por causa da reforma da Previdência, servidores e funcionários públicos que requererem a aposentadoria com base no tempo de contribuição serão desligados compulsoriamente.

Para se adequar à nova legislação previdenciária, o Banco do Brasil já alterou sua Instrução Normativa nº 380-1, que trata da aposentadoria dos funcionários.

O documento começa dizendo que “o segurado pode desistir do pedido de aposentadoria, desde que manifeste esta intenção e requeira o arquivamento definitivo do pedido antes […]” do “recebimento do primeiro pagamento do benefício” ou do “saque do respectivo FGTS ou PIS/Pasep” – o que ocorrer primeiro.

Depois, diz que “a aposentadoria compulsória ocorrerá […] aos 70 anos de idade (observado o tempo mínimo de contribuição de 20 anos para o homem e 15 anos para a mulher” e que “cabe ao funcionário que tiver a aposentadoria concedida após a entrada em vigor da reforma previdenciária […] solicitar o desligamento por aposentadoria”, e “solicitar o desligamento por aposentadoria compulsória”, inclusive.

E continua: “A não observância do contido na seção acima poderá ser examinada sob aspecto disciplinar, ensejando na aplicação da demissão por justa causa”.

Controvérsia
O ponto mais controverso da alteração normativa (além do fato de negar o direito de continuar trabalhando) é se valerá a data do pedido da aposentadoria ou se valerá a data da concessão do benefício, já que, por economia e por falha sistêmica, os pedidos de aposentadoria se acumulam no INSS.

Reportagem publicada no dia 8 pelo jornal Valor Econômico informou que existem 2,2 milhões de benefícios represados no INSS. A concessão desses benefícios representaria um gasto de R$ 9,7 bilhões para a Previdência em 2020 – por isso a demora do governo em autorizá-los.

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região lembra que o Supremo Tribunal Federal já julgou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), antes da reforma, manifestando o entendimento de que o requerimento de aposentadoria não extingue o contrato de trabalho. O Sindicato vai acionar o Poder Judiciário no caso de qualquer injustiça.

ERRAMOS

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região esclarece que quando esta notícia foi publicada pela entidade, no dia 9 de janeiro de 2020, a foto divulgada não continha os devidos créditos ao fotógrafo Marcelo Henrique de Andrade. A entidade lamenta o erro e informa que a autoria da imagem já foi corrigida na publicação.

Notícias Relacionadas

Sindicato conquista na Justiça suspensão de descontos na conta bancária de funcionária do BB que se encontra no limbo previdenciário

Banco do Brasil 09/08/2022

Após vitória na Justiça, Sindicato começa a devolver contribuição sindical de 32 bancários que são vinculados a Ribeirão Preto

Banco do Brasil 05/08/2022

Sindicato intervém e exige fim das lives de venda de produtos durante atendimento dos caixas do BB

Banco do Brasil 05/08/2022

Newsletter