SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Santander resiste a devolver gratificações retiradas de quem ajuizou ação contra o banco

18/05/2021

Bancos: Santander

Compartilhe:

Na última sexta-feira (14), o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região noticiou que o Santander “cortou 55% do salário de mais de 40 dirigentes sindicais bancários, cipeiros e trabalhadores em estabilidade provisória que ingressaram com ações judiciais de sétima e oitava horas”.

Segundo o sindicato da capital paulista, “o banco fez uma interpretação distorcida das sentenças e retirou a gratificação de função destes bancários, o que configura prática antissindical, um ataque ao direito de buscar a Justiça, além de desrespeito à Convenção Coletiva de Trabalho da categoria e também a convenções internacionais”.

O sindicato paulistano conta que “diante do corte arbitrário e desumano dos seus salários pelo Santander, bancários atingidos pela medida entraram na Justiça e conquistaram liminares e sentenças […] determinando a retomada do pagamento da gratificação de função”, mas que “o Santander tem protelado o devido pagamento”.

Maria Emília

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região lembra que, em outubro do ano passado, uma das diretoras da entidade, Maria Emília Bertoli (foto), também teve sua gratificação de função retirada pelo Santander.

Na ocasião, o Sindicato anunciou que “a atitude é uma clara perseguição contra a trabalhadora, que há alguns anos, quando estava na ativa dentro do banco, ingressou na Justiça para obter o pagamento das 7ª e 8ª horas devidas pelo Santander”.

E não deixou de mencionar o fato de que “o banco tem atacado todos os funcionários, em âmbito nacional, que foram buscar seus direitos pelas horas extras, com ameaças de redução de jornada e salário”, afirmando que “esse ataque do Santander é inconstitucional, pois constrange o trabalhador ao livre acesso ao judiciário”.

Obviamente, o Sindicato também entrou na Justiça para que Maria Emília volte a receber sua gratificação de função. Enquanto aguarda o trânsito em julgado da ação, a entidade está pagando à diretora uma ajuda de custo mensal, aprovada em assembleia realizada em 26 de janeiro.

O Santander não tem o direito de perseguir e retaliar os trabalhadores que buscam reparações na Justiça. Basta!

Notícias Relacionadas

Santander alcança lucro de R$ 12,9 bilhões em 2022

Santander 03/02/2023

PLR do Santander será paga dia 28 de fevereiro

Banco do Brasil 02/02/2023

Novo Regional do Santander envia cobrança de metas nos telefones pessoais dos empregados; Prática é proibida pela CCT e por liminar obtida pelo Sindicato!

Santander 13/01/2023

Newsletter