SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

REINTEGRADA!

Justiça manda BV Financeira reintegrar Michele, diretora do Sindicato; empresa foi comunicada dia 12

15/03/2018

Bancos: Outros

Compartilhe:

Depois de mais de 15 meses com seu contrato de trabalho suspenso, Michele Montilha Alcântara, diretora do Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, foi reintegrada à BV Financeira na última segunda-feira, dia 12, quando se reapresentou ao trabalho acompanhada de um oficial de Justiça que comunicou a empresa sobre a decisão judicial. Caso a BV Financeira descumpra a determinação da Justiça, será penalizada com multa diária.

A diretora Michele (de preto) entre o oficial de Justiça (à esq.) e Neto,
o advogado do Sindicato que cuidou da sua defesa

O contrato de trabalho de Michele com a BV Financeira estava suspenso desde dezembro de 2016, quando a empresa ajuizou um inquérito para apurar a ocorrência de falta grave. De lá para cá, Michele ficou sem receber seu salário, sobrevivendo graças a uma ajuda de custo paga pelo Sindicato – ajuda essa que foi aprovada pelos bancários numa assembleia realizada em 14 de março de 2017.

 

A sentença

A responsável pelo processo foi a juiza Edma Alves Moreira, da 4ª Vara do Trabalho de Bauru. Ela ouviu testemunhas de acusação e de defesa, e, ao fim, julgou que “o ato não se reveste de gravidade suficiente a ensejar a dispensa motivada da obreira”.

“A informação contida nos documentos […] não tem, com a devida venia, nada de sigiloso, pois além de não trazer referência a dados pessoais e bancários de clientes e nem da requerente [a BV], a questão de que o Banco Votorantim atua através da […] BV Financeira, conforme apontam logotipos, não é questão estranha, isto é, não é assunto novo a esta Justiça do Trabalho”, esclareceu a magistrada. Ela ainda observou que “Muitos deles [documentos] podem ser visualizados no site da requerente”.

Ao julgar improcedente o pedido da BV Financeira, a juíza condenou a empresa “a reintegrar a requerida [Michele] e pagar salários vencidos do período do afastamento até sua reintegração, bem como férias + 1/3, 13º salário, FGTS e parcelas variáveis, inclusive, Participação nos Lucros e Resultados, porventura pagos aos demais empregados por ocasião do seu afastamento, correspondentes ao período acima, como se estivesse trabalhando”.

Ao receber o montante determinado pela juíza, Michele vai ressarcir os valores que o Sindicato lhe pagou mensalmente a título de ajuda de custo. Vitória!

 

Traição do MNOB vitimou Michele

Vale lembrar: a diretora Michele Montilha Alcântara foi afastada do trabalho porque diretores do Sindicato ligados ao MNOB/PSTU entregaram ao Banco Votorantim uma falsa ata de reunião da Diretoria da entidade em que afirmavam que Michele teria pego documentos confidenciais para ajudar no processo de reintegração da também diretora Priscila Rodrigues, demitida injustamente pelo mesmo banco.

(Na ocasião, os diretores do MNOB/PSTU estavam unidos a diretores que passaram a se dizer “independentes”. O objetivo era retomar a direção majoritária do Sindicato, já que eles nunca aceitaram a derrota na eleição.)

Os bancários associados do Sindicato também viram o ataque a Michele como uma traição à categoria, tanto que instauraram em assembleia uma Comissão de Ética que resultou na expulsão de dois diretores e na suspensão de um outro.

O Sindicato está trabalhando para que traições como essa não se repitam.

Notícias Relacionadas

Demissão em massa: Mercantil do Brasil encerra atividades no Rio de Janeiro

Outros 23/06/2022

Deputados federais devem participar de audiência pública sobre abertura de bancos aos sábados e domingos, nesta quarta-feira

Banco do Brasil 08/06/2022

Empregados do Mercantil do Brasil denunciam casos de assédio moral e cobrança excessiva de metas

Outros 07/06/2022

Newsletter