SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Gerente preso por culpa do Itaú ganha R$ 200 mil de indenização

18/06/2019

Bancos: Itaú

Compartilhe:

Um bancário do Itaú, admitido em 1985 e dispensado em 2009, foi preso em flagrante em 2002 por culpa da área jurídica do banco, que descumpriu um prazo determinado pela Justiça Federal.

Esse trabalhador, que exercia a função de gerente numa agência de Curitiba (PR), conta que um dia recebeu um ofício da Justiça Federal para que, em 48 horas, informasse a existência de conta corrente de terceiro e encaminhasse documentos. Como não tinha autorização para isso, repassou o caso para a área jurídica em São Paulo, que não apresentou os documentos nos termos solicitados.

Passados uns dias, o gerente foi surpreendido por cinco policiais federais, que o cercaram em sua mesa de trabalho e lhe deram voz de prisão na presença de clientes e empregados. Segundo ele, na delegacia “foi tratado como bandido”.

Após cerca de sete horas de detenção, o trabalhador concordou em assinar uma “nota de culpa” e a pagar multa no valor de R$ 9 mil a título de doação à comunidade. A transação penal – instituto semelhante à conciliação, mas na esfera criminal – previa ainda que ele teria de se apresentar mensalmente em juízo durante dois anos e não poderia se ausentar da cidade por mais de sete dias sem autorização judicial.

Indenização
Assim sendo, ele foi à Justiça buscar reparação pelos danos morais que sofreu. O juízo da 6ª Vara do Trabalho de Londrina (PR) lhe concedeu uma indenização de R$ 50 mil – valor que foi mantido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região.

No entanto, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) majorou a indenização para R$ 200 mil. Para a ministra Maria Helena Mallmann, relatora do recurso no TST, esse valor “atende ao porte financeiro do banco, à gravidade do ato e à repercussão dos fatos na vida do empregado”, uma vez que “em decorrência da prisão, o empregado respondeu a ação criminal, na qual aceitou a transação penal que lhe acarretou diversas obrigações e restrições por dois anos, por fato a que não deu causa”.

“Dinheiro algum repara o desgosto que o Itaú fez esse bancário passar”, afirma Wagner Silva, diretor do Sindicato dos Bancários de Bauru e funcionário do Itaú.

Notícias Relacionadas

Em 5 anos, principais bancos do país fecharam mais de 4 mil agências

Banco do Brasil 21/06/2022

Itaú demite funcionários adoecidos e dirigentes sindicais, na Colômbia

Itaú 21/06/2022

Deputados federais devem participar de audiência pública sobre abertura de bancos aos sábados e domingos, nesta quarta-feira

Banco do Brasil 08/06/2022

Newsletter