SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Fala, bancário!

19/10/2018

Compartilhe:

Durante os governos do PT, fomos aqueles que denunciaram incansavelmente os acordos com o sistema financeiro e as reformas que atacaram direitos dos trabalhadores, como foi na reforma da previdência do primeiro mandato de Lula. Participamos e impulsionamos, durante aqueles anos, várias chapas de oposição à Contraf/CUT, que acabou refém dos governos petistas em detrimento à defesa dos interesses da categoria bancária.

Mas o que está em jogo agora é muito maior. Um eventual governo Bolsonaro significará grandes mudanças na vida dos trabalhadores. Bolsonaro foi apoiador do péssimo Governo Temer. A retirada de direitos que começou será concluída num governo Bolsonaro. Como deputado, Bolsonaro votou a favor da reforma trabalhista e da PEC que congela os gastos públicos; para as estatais o seu virtual ministro da economia, Paulo Guedes (formado na Escola de Chicago) anuncia uma política de privatização selvagem. O próprio Bolsonaro tem falado da necessidade do estado vender estatais. Ainda tem o General Mourão, candidato a vice, defende o fim do 13º salário.

O candidato se diz um grande defensor da segurança pública porém em 27 anos de mandato nunca apresentou um projeto relevante para a área.

Bolsonaro se diz contra a corrupção porém tem histórias mal contadas de doações de grandes empresas envolvidas em escândalos de corrupção, como a JBS, e consta na lista de Furnas. Ele se aproveita dos privilégios de quem ocupa cargos eletivos e os reforça: fez pré-campanha com despesas pagas pela câmara, votou a favor do aumento do salário dos deputados, recebeu auxílio moradia tendo imóvel próprio, votou contra o fim da aposentadoria especial para deputados e senadores.

Além de nefasto para o conjunto dos trabalhadores, ele representa a perseguição aos mais oprimidos. Está claro que Bolsonaro não respeita as mulheres e tem feito uma política de ódio a LGBTs e a negros. General Mourão, o vice, chegou a declarar: “Temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena. (…) E a malandragem. Edson (da) Rosa, nada contra, viu, mas a malandragem que é oriunda do africano”. Bolsonaro chegou a falar “Ninguém gosta de homossexual, a gente suporta”. Uma vitória de Bolsonaro vai significar que todos os grupos de ódio e de intolerância vão se sentir livres para atuar.

A eleição dele significará a diminuição das liberdades democráticas. Os militares estão voltando a aparecer. O candidato e seu vice defendem abertamente a ditadura e são admiradores do torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra. A declaração depois do 1º turno foi clara: “Vamos botar um ponto final em todo o ativismo no Brasil”. Por ativismo, leia-se todos aqueles que estão descontentes e protestam, por qualquer motivo.

A vitória de Bolsonaro significará a escalada das privatizações e da precarização. Haverá terceirização massiva e rebaixamento das condições de trabalho. Vamos ter que procurar emprego num momento em que direitos trabalhistas foram reduzidos. E nem liberdade para protestar haverá.

Queremos ter a liberdade de lutar contra qualquer que seja o governo que nos ataque os direitos. Por isso, neste próximo dia 28, vamos votar 13!

Subscrevem este texto os diretores do Sindicato ligados à Frente Nacional de Oposição Bancária (FNOB), além da diretora Maria Bueno de Camargo, ligada ao MNOB.

Notícias Relacionadas

Bradesco, nos ouça! Sindicato protesta contra demissão de bancária portadora de deficiência auditiva

Bradesco 28/06/2022

Bancários esgotados: Mais de 5 mil trabalhadores pedem demissão em 4 meses

28/06/2022

Sindicato reivindica na Justiça direito de férias de 35 dias para egressos da Nossa Caixa com mais de 20 anos de banco

Banco do Brasil 27/06/2022

Newsletter