SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Campanha salarial: saiba o que está acontecendo nas negociações

24/07/2018

Compartilhe:

A terceira rodada de negociação entre a Contraf e a Fenaban aconteceu na última quinta, dia 19, e tratou de saúde e condições de trabalho.

O único avanço obtido na reunião refere-se à cláusula 33 da CCT, que trata de procedimentos especiais de segurança bancária: a Fenaban concordou em estender para os bancários vítimas de extorsão mediante sequestro (e não somente sequestro consumado, como é hoje) o direito a atendimento médico e psicológico, ao registro de boletim de ocorrência (com sua inclusão nos dados estatísticos) e à avaliação de pedido de realocação.

Sobre todas as demais reivindicações, que abrangem fim do assédio moral, das metas abusivas e das dificuldades impostas ao tratamento dos adoecidos em função do trabalho, a Fenaban “ficou de analisá-las”.

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região acredita que essa enrolação da Fenaban em apresentar propostas para as pautas tem que acabar! O respeito pela saúde dos trabalhadores e por tantos outros direitos não pode esperar!

Banco do Brasil
Na segunda rodada de negociação com o BB, no dia 13, o banco se comprometeu a renovar todas as cláusulas de benefícios do acordo coletivo (sobre ausências legais, auxílios do PAS, isenção de tarifas, licença para acompanhar pessoas enfermas etc.).

Caixa
A segunda reunião aconteceu na última sexta, dia 20. O banco não aceitou registrar nenhuma garantia contra as novas leis trabalhistas e afirmou que irá seguir a regra de PLR da Fenaban. Alegou também que não tem autorização do pagamento da PLR social.

A direção do banco informou ainda que o limite da soma da PLR está limitada pelo governo. A regra mencionada seria 25% do que for pago de dividendos no tesouro. Com base nos últimos anos, fica em 6,25 % do lucro líquido.

Além disso, a Caixa não garantiu a abrangência do Acordo Coletivo de Trabalho para todos os empregados e não assinou o pré-acordo de ultratividade. Negou ainda o fim do Caixa Minuto e novas contratações.

Para o Sindicato, os bancos estão aproveitando da letargia da Contraf-CUT nas mesas de negociações e enrolando os bancários.

(Bancários na Luta nº 35)

Notícias Relacionadas

TRT reconhece dispensa discriminatória de um trabalhador que foi demitido após retornar de afastamento por Covid-19

07/07/2022

Abertura dos bancos aos sábados e domingos: PL 1043 voltará a ser debatido somente após o período eleitoral

07/07/2022

Caixa custeou obras da mansão de Pedro Guimarães

Caixa Econômica Federal 07/07/2022

Newsletter