SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Bolsonaro é citado em caso Marielle

Apoderamento de provas por parte do presidente é interferência ilícita em apuração criminal

05/11/2019

Compartilhe:

A Polícia Civil do Rio de Janeiro teve acesso ao caderno de visitas do condomínio Vivendas da Barra, na Zona Oeste do Rio, onde têm casa o presidente Jair Bolsonaro e o ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado da morte da vereadora Marielle Franco.

No dia 14 março de 2018, horas antes do crime, o ex-PM Élcio Queiroz, outro suspeito do crime, anunciou na portaria do condomínio que iria visitar Jair Bolsonaro e acabou indo até a casa de Lessa, segundo informações divulgadas pelo Jornal Nacional no dia 29.

O caderno de registros do condomínio informa que, às 17h10 do dia do crime, uma pessoa de nome Élcio, a bordo de um Logan prata, anunciou que iria até a casa número 58, que pertence ao presidente Jair Bolsonaro. No condomínio, também mora o filho Carlos Bolsonaro, na casa 36.

À polícia, o porteiro afirmou que ligou para a casa 58, e que uma pessoa que ele identificou como sendo o “seu Jair” liberou a entrada de Élcio Queiroz. O suspeito, no entanto, foi até a casa 66, onde mora Ronnie Lessa. O porteiro, então, telefonou novamente, e o mesmo “seu Jair” teria dito que sabia para onde ele estava indo. Conforme a reportagem, no dia da visita, no entanto, Bolsonaro estava em Brasília, e não em sua casa no Rio de Janeiro. O então deputado federal registrou a presença em duas votações na Câmara.

Lessa é acusado pela polícia de ser o autor dos disparos que mataram Marielle e o seu motorista, Anderson Gomes; e Queiroz é suspeito de ser o motorista do carro que levava o matador. Os dois foram presos no dia 12 de março deste ano.

Segundo o JN, a citação a Bolsonaro pode levar a investigação da morte de Marielle ao Supremo Tribunal Federal (STF), pelo fato de o presidente ter foro privilegiado.

À reportagem, o advogado de Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, afirmou que o depoimento do porteiro é “mentiroso” e que isso é passível de “investigação por falso testemunho”.

No dia seguinte à reportagem do JN, o MP do Rio afirmou que o depoimento do porteiro já tinha sido invalidado por diferir das provas periciais coletadas.

Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, há muita coisa estranha nesse caso. A investigação já dura mais de 600 dias e as imagens do assassinato desapareceram.

Após a reportagem, o presidente ameaçou a Rede Globo e disse ter pegado as gravações da portaria para evitar adulterações. O deputado federal David Miranda afirmou que vai propôr à oposição que apresente nesta semana um pedido de impeachment. Segundo David, as declarações de Bolsonaro sobre o acesso às gravações da portaria de seu condomínio, no Rio de Janeiro, configuram “obstrução de justiça e crime de responsabilidade”.

Notícias Relacionadas

“BB + leve”: Banco avança com transformação de agências em lojas e coloca em risco vida de bancários e clientes

Banco do Brasil 24/06/2022

SEXTOU: ARRAIÁ DO SINDBAR É HOJE! ESPERAMOS VOCÊS!

24/06/2022

VOTE “NÃO” na consulta pública sobre retirada de patrocinador dos fundos de pensão

24/06/2022

Newsletter