SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Banco do Brasil segue na mira da privatização

03/02/2020

Bancos: Banco do Brasil

Compartilhe:

De acordo com reportagem divulgada no site Terra, no dia 27, o Banco do Brasil partirá para o “plano B” enquanto o banco não alcança a privatização.
O plano, que ainda não é público e foi revelado por quatro pessoas que não tiveram suas identidades expostas, inclui alterar as regras de emprego para facilitar a contratação e demissão de funcionários do BB, remover algumas restrições salariais, manter dividendos em patamares elevados a partir da venda de ativos e fechar parcerias com fintechs e outras startups.

No dia 24, o jornal Valor Econômico já havia informado o plano do banco de formar joint ventures com fintechs, mas nenhum detalhe a mais foi divulgado.

Também segundo as fontes, o BB quer oferecer às startups acesso à sua ampla rede no Brasil – 37,3 milhões de clientes e mais de 4.000 agências – em troca de participações nessas empresas. No entanto, o banco não tem intenção de desembolsar recursos para se tornar sócio dessas startups.

Lado do BB e do governo
Procurado para comentar essas informações, o Banco do Brasil se recusou a falar sobre o assunto. O ministério da Economia negou que mudanças na forma como as empresas estatais contratam e demitem estejam em discussões, mas as fontes afirmam que as conversas, ainda preliminares, estão acontecendo na secretaria especial de Desestatização, comandada por Salim Mattar.

Privatização
No dia 29, o presidente do BB, Rubens Novaes, voltou a defender a privatização do banco. Para Rubens, o caráter do banco ser público já foi muito importante para o crescimento do banco, mas que agora, isso já não existe mais. “O BB foi uma entidade pública que perdeu todos os bônus de ser uma entidade pública”, disse.

Além disso, o presidente declarou que o caminho para privatizar o banco é fácil e que “basta fazer uma operação no mercado e você deixa de ter todas essas amarras”.

Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, embora Bolsonaro negue a privatização do banco, é nítida a intenção privatista de seu governo. Afinal, vendas de subsidiárias também são uma forma de privatização.

Notícias Relacionadas

Sindicato reivindica na Justiça direito de férias de 35 dias para egressos da Nossa Caixa com mais de 20 anos de banco

Banco do Brasil 27/06/2022

“BB + leve”: Banco avança com transformação de agências em lojas e coloca em risco vida de bancários e clientes

Banco do Brasil 24/06/2022

Terceirizada do BB é condenada após sumir e não pagar verbas rescisórias e FGTS de trabalhadora

Banco do Brasil 21/06/2022

Newsletter