SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Reuniões sobre mudanças no custeio do Saúde Caixa seguem infrutíferas

02/07/2021

Bancos: Caixa Econômica Federal

Compartilhe:

O grupo de trabalho que discute o Saúde Caixa — constituído por representantes da Caixa Econômica Federal e do movimento sindical — vem discutindo desde janeiro um novo formato de custeio e gestão do plano de saúde. Isso porque, em janeiro do ano que vem, começarão a ser aplicadas as regras trazidas pelas resoluções números 22 e 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União.

Histórico

Publicadas em janeiro de 2018 por Michel Temer, as resoluções CGPAR nº 22 e CGPAR nº 23 deram prazo de 48 meses para as estatais adequarem o custeio de seus planos de saúde às novas regras. Entre outras coisas, elas impõem um limite, em relação à folha de pagamento, para o custeio dos planos. Também estabelecem que a contribuição das estatais para o custeio não poderá exceder a contribuição dos empregados.

Outras mudanças previstas nas resoluções são: que novos servidores públicos concursados não terão mais direito ao plano de saúde no formato atual e que, entre os dependentes dos empregados, só poderão permanecer no plano os filhos e companheiros conjugais — os pais terão de ser definitivamente excluídos.

O Sindicato dos Bancários de Bauru e Região afirmou, já na época, que as mudanças tornariam os planos de saúde insustentáveis. No caso da Caixa, por exemplo, o banco paga, desde 2004, 70% das despesas assistenciais do Saúde Caixa, e os usuários pagam os outros 30%. No entanto, as resoluções da CGPAR, e também uma alteração no estatuto da Caixa, querem fazer com que a participação do banco nessas despesas não ultrapasse o limite correspondente a 6,5% da folha de pagamento.

Reuniões do GT

O grupo de trabalho do Saúde Caixa teve uma agenda intensa nas últimas semanas: após dois meses de análise dos dados do plano, as discussões foram retomadas no dia 10 de junho, e voltaram a acontecer nos dias 16 e 17, 23 e 24, 30 de junho e 1º de julho. Apesar de tanta conversa, os representantes dos trabalhadores afirmam que não conseguiram avançar na tentativa de demover a Caixa de aplicar as restrições das resoluções CGPAR.

Assim como já alertou o Sindicato, os representantes dos trabalhadores afirmam que as simulações apresentadas inviabilizam a permanência de muitos empregados no Saúde Caixa.

(Na foto, bancários protestam contra as alterações no modelo de custeio do Saúde Caixa. O ato foi realizado pelo Sindicato, pela Associação Paulista dos Economiários Aposentados (APEA) e pela Associação dos Gestores da Caixa (AGECEF) no dia 20 de junho de 2018.)

Notícias Relacionadas

Sindicato reforça denuncia ao MPT sobre casos de assédio moral na Caixa

Caixa Econômica Federal 19/09/2022

Empregados da Caixa foram “convidados” a participar de desfile do 7 de setembro em Brasília em apoio ao governo Bolsonaro

Caixa Econômica Federal 12/09/2022

Caixa enrolou negociações durante 10 mesas

Caixa Econômica Federal 06/09/2022

Newsletter