SEEB Bauru

Sindicato dos Bancários e Financiários
de Bauru e Região

CSP

Notícias

Governo Bolsonaro reedita Resolução CGPAR e segue com ataque aos funcionários das empresas estatais federais

Compartilhe:

O governo Bolsonaro, por meio do Ministro da Economia, Paulo Guedes, e do Ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, publicou no Diário Oficial da União, no dia 4 de agosto, a Resolução CGPAR nº42, uma reedição da nº 23, que foi revogada pelo Congresso Nacional em 2021.

Em setembro do ano passado, o Senado aprovou o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 342/2021, que suspendeu os efeitos da Resolução 23, de 2018, estabelecida pelo Ministério do Planejamento do então presidente Michel Temer. A resolução tratava das regras do custeio das empresas estatais federais sobre benefícios de assistência à saúde aos empregados. Entre as várias medidas estava a limitação da contribuição das empresas estatais aos planos de saúde dos empregados que forem organizados sob a forma de autogestão.

Além disso, novos servidores públicos concursados não teriam mais direito ao plano de saúde no formato atual, e entre os dependentes dos empregados, só poderiam permanecer no plano os filhos e companheiros conjugais — os pais teriam de ser excluídos.

CGPAR 42

Apesar da CGPAR 23 ter sido revogada, o governo Bolsonaro publicou sua reedição, estabelecendo novas diretrizes e ataques aos funcionários do BB, Caixa, Correios e Petrobras. A nova resolução prevê em seu artigo 6º que a participação da empresa pública no custeio dos planos de saúde não poderá exceder o limite de 50% das despesas.

A Resolução também veda às empresas estatais a concessão de empréstimo pecuniário aos funcionários; de licença-prêmio e abono assiduidade; e de férias em período superior a 30 dias por ano trabalhado, entre outros benefícios dos regulamentos internos das empresas e planos de cargos e salários.

No dia 9, foi protocolado na Câmara dos Deputados o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) nº 313/2022, do deputado federal Pompeo de Mattos (PDT-RS), funcionário aposentado do BB, que busca sustar os efeitos da CGPAR 42.

Para o Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, a CGPAR 42 coloca, novamente, em risco o plano de saúde do funcionalismo público, onerando ainda mais as despesas dos trabalhadores.

(Na foto, ato realizado em 2018 pelo Sindicato, onde bancários da ativa e aposentados da Caixa protestaram contra a alteração no modelo de custeio do Saúde Caixa)

 

Notícias Relacionadas

MPT pede que ex-presidente da Caixa seja condenado em R$ 30,5 milhões por assédio moral e sexual

Caixa Econômica Federal 04/10/2022

Bancária da Caixa de Porto Alegre tem o rosto machucado após agressão de cliente

Caixa Econômica Federal 04/10/2022

Sindicato reforça denuncia ao MPT sobre casos de assédio moral na Caixa

Caixa Econômica Federal 19/09/2022

Newsletter